POESIAS

VOLTAR

“Pátria amada”

Mãe gentil quem primeiro concebeu
a pobreza ou a maldade?
Que quebra ossos tão frágeis
de uma constelação raquítica e desesperada
que cultiva na terra a sede de sua manada.
E se há homens de paz
ha homens que dela se desfaz
e se há homens de guerra
há homens que morrem nela.
Se tu, mãe, disser que a maldade pariu a pobreza...
quem se espantaria?
se a pobreza é maldosa
e enfeita com roupas rasgadas e pés descalços as cidades
trás fome entre becos
e alastra a ignorância por todas as partes.
Nossas crianças reprisam esta sentença
e refleti em seus olhares a dor da diferença.
Oh! Pátria amada
idolatrada...
Salve!
Salve!
não desejamos a morte nua!
E por quem és amada?
Pela burguesia que a consagra?!
pois para julgar-te amada, deveria nos amar também.
Onde mora o respeito, que não o enxergo?
apenas vejos casas com falsos tetos
ruas governadas por baratas...
apenas vejo essa podre água correr por minha mata.
E todo esse lixo fede...
E todo esse lixo decompõe meu ar.
Se me roubas pátria
o que me sobra senão...míseras sobras!?




Marluce Persil Autor Marluce Persil MEU PERFIL
ENVIE POR E-MAIL
DENUNCIE