POESIAS

VOLTAR

Luzes mecânicas

Aos ventos que hão de vir;
Arrastando o ar miscigenado,
Em DNA singular, Candango,
Onde a urbis é o inspirar.

Alenta-se os monumentos,
Da Catedral a Torre Digital,
Excede-se o natural,
Da Ponte JK aos Ministérios.

Ascende vermelho-pungente,
Barro que adentra a cosmopolita
Noite que cega, luzes mecânicas.

Além das asas sul e norte,
E eixos desconcertantes, paira,
Há algo utópico, centros brasilienses.

Pablo B.P. Santos Autor Pablo B.P. Santos MEU PERFIL
ENVIE POR E-MAIL
DENUNCIE