POESIAS

VOLTAR

Conchas

Conchas

Livre dos corais
Longe do atol
Ás vezes, jamais
Me transformo em arrebol
As tantas páginas
Do livro controverso
Falo coisa andróginas
Do lugar onde tumideço

Os peixes e seu cardume
Me remetem lamentar
Do tempo que fui feliz
Quando não queria me matar
Nunca encontrei diretriz
Tal o poço do azedume

Aquele que chorou um dia
Chora hoje de alegria
Em meio pomposas animosidades
O hoje de tantas oportunidades
Não é a grande chave do meu mar
É entrada para o mundo maravilhoso
E nem adianta que não vou soltar
A chave desse mar tenebroso

Heraclito J C Santos Autor Heraclito J C Santos MEU PERFIL
ENVIE POR E-MAIL
DENUNCIE