POESIAS

VOLTAR

Profecia

O que vejo por entre os galhos
Cobertos de neblina
Secos do Verão que assola
É pura profecia

Os anuns pretos que nunca mais os vi
Aparecem em meus sonhos
Como se estivessem perto do fim
Assim como minhas manhãs cinzentas

Com seu voo baixo e calmo
Em meus sonhos
Causam-me arrepios
Os mórbidos anuns pretos

E a quentura dos verões
Que torra os galhos secos
Jogados pelo chão
Devasta minhas florestas
Destroem meus sonhos

Vi esse filme se passar
No espelho quase sem brilho
Dos olhos de meus anuns pretos
Que anos atrás não atormentavam
Meu sono

Ezequiel Lima.

Ezequiel Autor Ezequiel MEU PERFIL
ENVIE POR E-MAIL
DENUNCIE